Ligue-nos / Call us: 282 457 018

Dentes do Siso

Dentes do Siso

Temos 4 Dentes do Siso, 2 superiores e 2 inferiores que nascem de forma aleatória, e ficam localizados atrás de todos os outros dentes, no término das arcadas dentárias em ambos os lados.
Extrair os Dentes do Siso na Clínica PRIVÉ

Se esta a sofrer de uma dor de dentes do siso, pode recorrer ao nosso Serviço de Urgência 24 horas que é um atendimento de urgências dentárias por chamada. O Serviço Urgências Dentárias 24h da Clínica PRIVÉ está também disponível aos sábados, domingos e feriados. Pode ligar para 96 839 4889.

Podem ocorrer problemas com o dente do siso, principalmente associados à sua erupção parcial ou incompleta, nomeadamente uma forte inflamação dos tecidos moles circundantes, chamada de pericoronarite ou infeção pericoronária.

Nestas situações em que ocorrem problemas na erupção do dente do siso, sintomas como dor forte, gengiva inflamada ou “gengiva inchada” por edema ou abcesso, assim como limitação ao abrir a boca (trismo) e mau-hálito (halitose) são comuns ocorrerem. Ou seja, é verificada uma situação em que os tecidos moles ao redor do dente do siso se tornam inflamados devido à erupção do dente.

No caso de impactação dentária, o dente do siso pode causar dor de cabeça ou enxaquecas, dores nos maxilares e, por vezes, provocar também dor de ouvido.

Em determinadas circunstâncias pode verificar-se uma situação em que o dente do siso entorta os outros, nomeadamente os dentes da frente, devido à pressão que exerce durante a sua erupção e que se reflete até à região anterior.

Os dentes do siso ou terceiros molares são os últimos dentes a nascer ou erupcionar. Como o dente do siso nasce mais tarde, por volta dos 17-21 anos de idade, é por vezes também conhecido popularmente por “dente do juízo”, em alusão à maturidade que é alcançada com o natural evoluir da idade.

Dente do siso incluso

Por vezes, o siso fica como um dente incluso ou semi-incluso. Isto ocorre quando não se verifica a natural erupção do siso, ficando o dente impactado e torto, ou mesmo retido dentro do osso maxilar.

Esta situação normalmente acontece quando não existe espaço suficiente para o seu devido posicionamento na arcada dentária, ou quando o mesmo se encontra em posição “horizontal” ou “deitado”, dentro do osso maxilar, não permitindo assim a sua erupção.

Nas situações em que o siso fica incluso, pode também verificar-se a reabsorção das raízes do dente vizinho nas zonas onde entra em contacto intra-ósseo, ou originar o aparecimento de cárie nos casos em que fica parcialmente erupcionado (semi-incluso), devido à impactação alimentar e dificuldade de higienização inerente.

Ainda, em casos mais raros, os sisos inclusos podem originar o aparecimento de quistos (ou cistos) ou tumores no interior do osso que os circundam.

Cirurgia para extração do siso

A cirurgia para a extração do siso, deve ser considerada quando há falta de espaço para a sua completa erupção ou quando o dente permanece incluso, podendo causar sintomatologia ou reabsorção das raízes dos dentes adjacentes. A extração de siso também poderá ser considerada quando provoca dor forte aquando da sua erupção de forma prolongada.

A exodontia do siso ou extração do siso não é necessária mesmo nos casos em que surgem alguns sintomas durante a sua erupção, nomeadamente a sugestiva “dor de dentes” e a inflamação da gengiva, desde que esses sintomas desapareçam com o decorrer do tempo. Os sisos saudáveis e posicionados de uma forma normal na arcada não causam problemas, não implicando portanto a sua extração, mesmo que funcionalmente não sejam “necessários”.

A cirurgia ou operação para extração do siso poderá ser mais ou menos complicada consoante o seu grau de impactação, posição na arcada e forma e tamanho das suas raízes. A cirurgia não dói, pois é efetuada sob anestesia local que hoje em dia é bastante eficaz.

Extração do siso – riscos, complicações

Atualmente existem técnicas e medicações que facilitam a extração do siso, minimizando o aparecimento de riscos e complicações associados à cirurgia, contudo existe sempre a possibilidade de estes virem a ocorrer.

Dentro destes riscos, a possibilidade de lesar o nervo dentário é aquele que mais causa preocupação pelas consequências associadas, nomeadamente o surgimento de parestesia que se traduz numa perda de sensibilidade e sensação de formigueiro e inchaço, sintomas parecidos com a sensação de anestesia mas menos pronunciada. Esta parestesia é reversível, no entanto, pode durar dias, semanas ou meses a passar, consoante o grau de lesão do nervo dentário. Caso se verifique mesmo um corte ou secção completa desse nervo, então ficamos perante uma situação mais grave correspondente a uma paralisia da área afetada.

Outra das possíveis complicações, mas muito raras, é a possibilidade de fratura da mandibula, por força excessiva e/ou osteotomia (remoção de osso) que a cirurgia pode envolver.

Após a extração do siso, e à imagem de qualquer outro dente, pode ocorrer uma alveolite, que ocorre quando se verifica uma infeção do alvéolo, ou seja, no interior do espaço ósseo deixado aberto pela remoção do dente, correspondente ao local onde as raízes estavam implantadas. Nestes casos, para além do rigor na toma da medicação e dos outros cuidados mencionados, por vezes é necessária a visita ao médico dentista para tratamento do local, que passa normalmente pela irrigação com antissético e curetagem ou raspagem do interior do alvéolo.

Extração do siso – pós operatório

O pós operatório na extração do siso poderá ser semelhante ao de qualquer outro dente, caso não hajam complicações associadas. A recuperação após a cirurgia é relativamente rápida e não requer dias de repouso, podendo o doente regressar quase de imediato à sua atividade normal. Contudo, devem existir alguns cuidados após a extração do siso, nomeadamente com a alimentação, devendo ser evitando alimentos duros ou muito quentes nos primeiros dias, tomar a medicação prescrita de forma correta, evitando a ingestão de álcool para não interferir no efeito dos mesmos, para além de evitar fumar e redobrar os cuidados de higiene oral.

Efetivamente, pode e deve-se escovar os dentes depois de tirar o siso, embora na zona da extração a escovagem deva idealmente ser efetuada com uma escova dentária pós-cirúrgica, que tem umas cerdas muito macias e próprias para o efeito, para evitar o risco de lesão gengival na área de cicatrização.

Paralelamente, poderá e deverá aplicar-se uma bolsa de gelo, pelo lado externo da face, durante 15 minutos e várias vezes ao dia nos primeiros 2 a 3 dias após a extração.

Espalhe a Palavra...

Close Menu