Ligue-nos / Call us: 282 457 018

Falta de dentes

Falta de dentes

A exodontia é o ato cirúrgico que corresponde a uma extração de dente, ou seja, é remover, extrair, “tirar” ou “arrancar” um dente.” A extração dentária é uma pequena cirurgia o, referida como um dos procedimentos dentários mais ancestrais de que há registo. 

Se esta a sofrer de um traumatismo com falta de dentes, pode recorrer ao nosso Serviço de Urgência 24 horas que é um atendimento de urgências dentárias por chamada. O Serviço Urgências Dentárias 24h da Clínica PRIVÉ está também disponível aos sábados, domingos e feriados. Pode ligar para 96 839 4889.

A necessidade de extração de dentes ocorre no adulto com relativa frequência em consequência de diversos problemas dentários. Na criança, nos dentes decíduos ou dente de leite ou temporários a extração de dentes pode também ser necessária em determinadas circunstâncias.

A extração pode ser efetuada em qualquer um dos dentes (incisivo, canino, pré-molar ou molar). Devido a alguns prolemas de erupção o dente do siso ou terceiro molar (superior ou inferior) é um dos dentes, muitas vezes, indicado para exodontia.

Na maior parte das vezes, a extração envolve apenas um único dente, mas em muitos casos podem ser extraídos dois ou mais dentes na mesma consulta cirúrgica sem qualquer contraindicação (exodontia múltipla).

Saiba, de seguida, quais os principais motivos que acabam por implicar a necessidade de se extrair um dente permanente ou temporário.

A cirurgia para extrair um dente não dói, uma vez que este ato é efetuado sob anestesia que hoje em dia é bastante eficaz. Ou seja, o efeito da anestesia permite que a extração do dente se efectue sem doer, apesar da dor ser um sintoma que poder ser tolerado de forma muito diferente de pessoa para pessoa.

Existem várias razões que podem implicar a extração de um dente, sendo a cárie dentária a mais frequente, quando já não seja viável ou compensatório recuperar o dente cariado, (popularmente chamado de “dente podre”).

Outras causas que podem levar à extração de um dente incluem:

  • Dente fraturado (“partido ou quebrado”), quer na coroa ou fraturado na raiz. Por vezes ocorre mesmo fratura total da coroa, implicando a exodontia de raiz residual, ou exodontia de resto radicular;
  • Dente com necrose pulpar, caso não resulte ou não se pondere o tratamento endodôntico ou de canal;
  • Dentes desvitalizados com insucesso, e que não se pondere o seu retratamento endodôntico;
  • Dentes com mobilidade muito acentuada (“dentes a abanar”), normalmente consequência de periodontite avançada;
  • Dente do siso, incluso ou semi-incluso (ou outros dentes inclusos), que estejam a implicar sintomatologia ou para prevenir eventuais problemas relacionados.

Contudo, nem só quando os dentes apresentam determinado problema é que é considerada a sua extração. Por vezes, mesmo estando saudáveis poderá ser ponderada a exodontia programada de determinados dentes, como acontece por exemplo em certos tratamentos ortodônticos, nomeadamente para permitir o alinhamento dentário nos casos em que existe falta de espaço.

De igual forma, os dentes supranumerários, que são dentes excedentários, ou seja, que excedem o número normal de dentes, popularmente designados “dentes a mais” são também indicados para extração, caso estejam ou possam vir a implicar problemas estéticos e/ou de oclusão. Regra geral, os procedimentos inerentes à extração de um dente supranumerário obedecem aos mesmos critérios de qualquer outro dente.

No caso do bebé ou criança, nos casos de dentes decíduos (dentes de leite ou dentes temporários), mesmo que saudáveis, podem ter indicação para extração, principalmente se já se verificar a erupção do dente definitivo correspondente.

Reabilitação (soluções para compensar os dentes extraídos)

A extração de um dente pode acarretar consequências posteriores indesejáveis, tais como: a perda de outros dentes, principalmente os adjacentes porque tendem a inclinar para o espaço excedente e a ficarem com mobilidade. Pode ocorrer a abertura de espaços entre os dentes (diastemas), problemas articulares, dificuldade na mastigação e até eventualmente ocorrer problemas na fonética, entre outras.

Por isso, é importante compensar os dentes extraídos, de forma a reabilitar convenientemente a estética e a funcionalidade dentária, exceto nos casos onde isso não seja pretendido, como é o caso dos dentes do siso, dentes de leite, dentes extraídos por razões ortodônticas ou noutros casos específicos.

Para o efeito podemos recorrer às seguintes soluções de reabilitação:

  • Próteses dentárias removíveis (acrílicas ou esqueléticas);
  • Próteses dentárias fixas (pontes);
  • Implantes dentários com posterior colocação de prótese sobre implantes, ou implante imediato.

Espalhe a Palavra...

Close Menu