Ligue-nos / Call us: 282 457 018

Malasma

Malasma

O Malasma é um tipo de hiperpigmentação comum nas mulheres, especialmente durante e após a gravidez. Afigura-se como grandes manchas escuras da descoloração do rosto, embora outras partes do corpo possam ser afectadas.

Blue Peel na Clínica PRIVé

Existem três tipos de Malasma : epidérmico, dérmico e misto.

  • Melasma epidérmico afecta a camada superior da pele e a hiperpigmentação é castanha com limites bem definidos.
  • Melasma dérmico afecta o nível da derme profunda e é caracterizado por manchas azuis-cinza.
  • Melasma misto (uma combinação de epidérmico e dérmico) mostra-se como um pigmento castanho-acinzentado. Devido à profundidade dos pigmentos de melanina no melasma dérmico e misto, estes tipos podem ser mais difíceis de tratar.

O melasma é uma forma de hiperpigmentação que aparece no rosto, especialmente nas bochechas, ponta do nariz, testa e lábio superior e por vezes, noutras partes do corpo expostas ao sol, como os braços.

O melasma é causado pelo excesso de produção do pigmento melanina. Enquanto o estado geralmente ocorre como uma resposta a alterações hormonais, como a gravidez, pílulas anticoncepcionais ou terapia de reposição hormonal (TRH), outros factores como a exposição aos UV, predisposição familiar, idade e certas drogas anti-epilépticas podem também desempenhar um papel.

Os melanócitos (células produtoras de melanina localizadas na camada basal da epiderme) são responsáveis pelo aumento da pigmentação da epiderme no melasma.

Durante a gravidez as hormonas endógenas estimulam os melanócitos, levando-os a produzir mais pigmentos de melanina.

As mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais ou terapia de reposição hormonal (TRH) também podem desenvolver melasma porque os seus organismos passam por alterações hormonais semelhantes, como as que ocorrem durante a gravidez.

A exposição UV é também um importante factor desencadeante ou agravante no desenvolvimento de melasma por isso é recomendado que as pessoas que são propensas ao estado, ou cujas famílias têm uma predisposição para o melasma, evitem o sol e apliquem protector solar de factor elevado para evitar a estimulação da produção de pigmento.

Resultados no tratamento:

ANTES

Tratamento de Malásia na Clínica PRIVÉ

DEPOIS

Tratamento de Malásia na Clínica PRIVÉ

TRATAMENTO

Existem duas opções disponíveis para pessoas que sofrem de melasma – remoção da pele descolorada em conjunto com o regulamento do pigmento.

A remoção é feita por um peeling químico (ZO® Controlled Depth Peel) que pode ser invasivo e realmente desencadear hiperpigmentação pós-inflamatória, especialmente nos tons de pele mais escuros. Os potenciais efeitos colaterais incluem inflamação, irritação e sensação de queimadura.

A regulação do malasma é feita através dos dermo-cosméticos tópicos (ZO® SKIN HEALTH). Estes geralmente contêm um ou mais dos seguintes ingredientes:

  • Hidroquinona 2-4% – é um poderoso agente de branqueamento da pele que foi proibido em cosméticos na maior parte da União Europeia devido a preocupações com ligações a potenciais riscos toxicológicos. É, no entanto, ainda usado nos EUA. A maior concentração (Rx > 4%) é prescrita somente enquanto forem utilizadas concentrações mais baixas (>2%) em medicamentos sem receita médica.
  • Arbutin é um ingrediente chave em muitos produtos asiáticos de clareamento da pele e uma fonte natural de hidroquinona. Mesmo que seja mais fraco, e menos eficaz do que a hidroquinona produzida industrialmente, existem preocupações semelhantes sobre a sua segurança.
  • Ácido Glicólico (ou ácido hidroxiacético) é o ácido utilizado por dermatologistas em peelings químicos e é um ingrediente comum em muitos cremes tópicos para a hiperpigmentação.
  • Ácido Kojico é um subproduto do vinho de arroz japonês, o saquê. É natural, mas a sua eficácia na inibição da produção de melanina é questionável e foi proibido em muitos países.
  • Derivados de Vitamina C também têm provado ser relativamente eficazes contra a hiperpigmentação pós-inflamatória. São muitas vezes utilizados em conjunto com outros ingredientes activos.
  • Ácido Retinóico é considerado eficaz, mas pode desencadear alguns efeitos colaterais, incluindo irritação e aumento da sensibilidade ao sol (que já é um problema para as pessoas com hiperpigmentação pós-inflamatória). Como houve algumas ligações possíveis a defeitos de nascimento, as mulheres grávidas ou que estão a amamentar não devem aplicar Ácido Retinóico.
Tratamento Malasma na Clínica PRIVÉ

Espalhe a Palavra...

Close Menu